H o n e s t a    M e n t e

  Honesta Mente

Brazilian programmer, I live in Champaign, IL. I write what I feel like writing, whenever I have a need to write.

Friday, September 12, 2003

11 de Setembro, 2003


Eu não ia escrever muita coisa sobre ontem. Foi um dia pra ser vivido, não falado.

Porém, hoje li o Ricardo Dias falando de sua experiência e, sei lá, deu vontade de escrever.

Dois anos atrás eu dormia sem dormir, som sonhar, sem repousar. A única coisa mais temerosa pra mim que o dia do ataque em si, foi a noite. Me lembro detalhadamente de onde eu estava no dia do ataque. Detalhes que normalmente eu não guardaria. Lembro que a Paula, que fazia customer service, estava usando calça jeans e camiseta branca, coisa que raramente ela usava. Eu estava com sono, usava uma camiseta verde, o que também não é comum.

Às 8:45 liguei pra um amigo que normalmente estaria chegando ao trabalho. Ele me perguntou se eu estava assistindo a CNN. Falei rindo que não, pastel, estou trabalhando, por que você não está. Um avião acaba de colidir com o World Trade Center. Eu achei que fosse sacanagem, ele mesmo achou que talvez fosse falso, até mudar pra outros canais. Enquanto isso, eu tentava acessar os sites da CNN, MSNBC, NBC, FOX, ABC, Yahoo News e nada, todos os sites estavam fora do ar, porque todo mundo queria saber o que estava acontecendo. A primeira leva de informações dizia que eram vários aviões sequestrados, e um deles iria para a Casa Branca. O avião que caiu, originariamente pensava-se que tinha sido derrubado por caças da força-aérea, que só mais tarde soube-se que não reagiu com velocidade.

Dois anos depois, e minhas memórias são tão claras que estou respirando mais rápido, só de pensar. Ainda hoje esse ataque me incomoda. A sensação de que o mundo nunca mais seria seguro, em lugar nenhum, nem mesmo em Nova Iorque, era, e é, quase palpável. Em muitos níveis, esse ataque mudou minha perspectiva com relação à maneira com que vivo.

Cada dia é mais importante que ontem, porque é mais um dia em que um terrorista não se explodiu perto de alguém de quem eu gosto.

Os EUA não são muito bem vistos no Brasil, porque reagiram violentamente explodindo o Afeganistão e, agora, o Iraque. Fiquei tão revoltado com as coisas que aconteceram que até eu, que não sou americano, me refiro às tropas como "our troops" (nossas tropas), me refiro ao que Bush anda fazendo como "we're making a big mistake" (nós estamos errados). Tou revoltado até hoje, estava em pânico, hoje é basicamente revolta.

Não somente com os imbecis que fizeram isso, mas também com os imbecis que os inspiram, os imbecis que os suportam, os imbecis que pagam pela merda toda, os imbecis que acham que foi merecido, os imbecis que acham que foi provocado, os imbecis que não entendem a raiva de uma nação atacada, os imbecis que acham que não vai acontecer com eles (porque já fui um desses). Principalmente revolta com os imbecis que acham que o governo americano é o mesmo que os americanos como um todo. Só porque as pesquisas mostram que os americanos apóiam a campanha no Iraque? Ora, pergunte ao americano médio se ele apóia o exército e, num país em que serviço militar é voluntário, por patriotismo a resposta será sim em muito mais que metade dos casos. Pergunte se o americano médio acha que Bush anda fazendo as decisões corretas na maneira como vem manejando sua política externa e muito mais da metade vai dizer que não. Façamos uma analogia simples, pois não? Pergunte ao brasileiro médio se ele apóia a seleção brasileira quando a seleção está mal e a resposta será quase sempre sim, pergunte ao mesmo brasileiro se ele acha que o técnico está fazendo tudo certo e a resposta é outra, não?

Americanos ajudam o mundo todo, de várias maneira. Diga o que quiser sobre as decisões do governo americano, mas lembre-se que há mais dinheiro doado por caridade pelos americanos que em qualquer outro país do mundo. O governo americano mandou bombas sobre Afeganistão e Iraque. Os americanos estão se preparando pra gastar 90 bilhões de dólares reconstruindo ambos. Isso depois dos outros 90 aprovados em Abril ou Maio desse ano. Quem paga a conta é o povo, não o governo. Os americanos pagam mais da metade da conta da Cruz Vermelha internacional, as maiores organizações sem fins lucrativos são formadas (e fundeadas) em grande parte por americanos. Os americanos formam mais de 25% das forças voluntárias da ONU. A maneira de viver dos americanos (o american way of life) é invejada no mundo inteiro. Por fim, os americanos são, em esmagadora maioria, provenientes de muitos outros países fora dos EUA.

Um ataque covarde como o de 11 de Setembro de 2001 é um ataque não somente aos EUA, mas a todos os países de cultura ocidental e, infelizmente, um ataque contra todas os indivíduos que bebem ou já beberam uma coca-cola, todas as mulheres que são independentes, andam sem burkas, votam e dirigem carros, todas as pessoas que gostam dos Beatles, todos que não são fundamentalistas islâmicos.

É, foi um ataque contra mim. Contra você. Contra todos nós.

E por essas e outras, só de pensar no 11 de Setembro, quase passo mal.

Mas a vida continua, amanhã é outro dia, as torres serão reerguidas, o mundo voltará ao quase normal. E um dia, se dermos sorte, amanhecerá a sanidade nas mentes fundamentalista e perceberão que na história humana, todos os ataques terroristas sempre falharam, completa e devastadoramente. As organizações que os provocam perdem gente, apoio e legitimidade e em geral o povo atingido recebe apoio dos outros povos em volta.

Nesse dia, talvez, será primavera. Dia bonito, de sol.

É, é sonho....




by Mau on 9/12/2003 06:40:00 PM | #
What's on your mind?


  Older Truth


Powered by Blogger

  Other Minds

Biquini Cavadão
Cabeça de Bacalhau
Encucada
Rainer
Telescópica
Cultura da Pizza
Clarabóia
Os Cravos de Jó
Universo Z
Webdomadário
Pedro No Mínimo
Dear Raed
Joi Ito
William Gibson
Woz
E mais nada...

  Photos

Click here to see my Fotolog. A picture a day keeps the doctor away.

  More about me

  Now playing, in iTunes: